As Coisas

borges.jpg

Texto inspirado no poema “As Coisas” de Jorge Luis Borges

(induzido por Denise Stucchi)

A primeira coisa, e também a mais presente, é o rádio, e tudo que sai de dentro dele.
Dentro das gavetas da memória
Dentro das minhas preciosas caixinhas, dos meus biscoitos do tempo…
Tem uma mamadeira com careta em alto relevo, um agarradinho, uma fofolete
E a cuca (aquela que pega daqui, e pega de lá)
Tem a janela, o fogão de lenha
A porta, a escadinha
E o rádio.
Tem pôsteres de um ídolo, muitos discos, fitas e a cuca ( de farofa que minha mãe fazia)
E um outro rádio.
Uma carteira de marlboro, uma garrafa de vinho, um skate
Muitos discos, muitas fitas e o mesmo rádio

Todas as caixinhas e gavetas estão trancadas
E cada uma tem uma chave
Mas essa chave não é uma chave
Não como essas que as portas e cadeados têm.
È muito mais que uma senha qualquer
É uma música ou um CD, um vinil ou uma fita
Depende…
Ás vezes é difícil descobrir
Às vezes nem eu sei
Mas sem querer, quando alguém descobre a chave
a gaveta, ou a caixa se abre e as coisas saltam de lá como aqueles palhaços de caixinhas de surpresa.
Sai ursinho, sai flor, sai carro (um fusca cor de doce de leite que está em diversas gavetas)
Às vezes, sai até lágrima…

Anúncios

Diz Aí:

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s